PDA

View Full Version : Haplogrupos do Povo Português



Lusitano
06-26-2019, 10:02 AM
Thread para discutir tudo o que esteja relacionado com o ADN do cromossoma Y e mitocondrial dos Portugueses.

O meu: R1b-FGC17866

Sumário:

R1b-L21
DF13 C+
Z39589 del+
DF49 G-
L1335 A-
DF41 T-
Z251 G-
S1051 T+
FGC17906 C+
FGC17938 G-
S1050 C-
FGC17907 G+
FGC19454 C-
FGC17866 A+
FGC17898 C-
FGC17897 C-


https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/4/41/R1b1a2a1a1b4_en_Europe.jpg/1024px-R1b1a2a1a1b4_en_Europe.jpg

https://i.imgur.com/HG7tzy4.jpg

Como podem ver, eu sou o primeiro individuo positivo para o SNP FGC17866 (pelo menos ainda não existe mais ninguém com esse SNP na YTree). Contudo, abaixo do SNP FGC17907 (para o qual dei positivo também) todos os indivíduos são Portugueses.

O meu haplogrupo - R1b-L21 - não sendo o mais comum em Portugal, acaba por ter um SNP até à data exclusivamente Português.


https://i.imgur.com/6oUkU4f.png

https://i.imgur.com/EsidaVN.png

RCO
06-26-2019, 10:55 AM
Qual a origem regional da sua linhagem masculina (Y) ? Há um grupo açoriano bem definido. Precisaríamos observar o seu sequenciamento completo para verificarmos a relação com este grupo. O único critério espacial que existe para investigar a história de uma linhagem é a comparação cronológica com os outros indivíduos na mesma linhagem.

Lusitano
06-26-2019, 11:08 AM
Qual a origem regional da sua linhagem masculina (Y) ? Há um grupo açoriano bem definido. Precisaríamos observar o seu sequenciamento completo para verificarmos a relação com este grupo. O único critério espacial que existe para investigar a história de uma linhagem é a comparação cronológica com os outros indivíduos na mesma linhagem.

Sertã, Região Centro, Beira-Baixa. Não tenho qualquer família com origens ou raízes nos Açores (que eu tenha conhecimento).

RCO
06-26-2019, 11:16 AM
Certo, os seus resultados devem abrir uma nova ramificação continental no grupo açoriano, talvez anterior e basal ao primeiro grupo, o que possibilitará o cálculo da cronologia em termos de SNPs e a estimativa da chegada na Península Ibérica. O que eu percebo é que as maiores linhagens portuguesas medievais apresentam subgrupos açorianos bem definidos.

Lusitano
06-26-2019, 11:25 AM
Certo, os seus resultados devem abrir uma nova ramificação continental no grupo açoriano, talvez anterior e basal ao primeiro grupo, o que possibilitará o cálculo da cronologia em termos de SNPs e a estimativa da chegada na Península Ibérica. O que eu percebo é que as maiores linhagens portuguesas medievais apresentam subgrupos açorianos bem definidos.

Segundo me foi dito, existe um investigador amador que estuda unicamente samples Açorianas e tem feito bastantes Big Y a essas mesmas samples. É por isso que os haplogrupos dos Açores estão sobrerepresentados na amostra (e também por uma porção significativa da diaspora Portuguesa nos E.U.A. e Canadá ser de origem Açoriana).

Lusitano
06-26-2019, 11:35 AM
Two Subclades of I-Z141 with potential to be Flemish or Germanic Iberian migrants to the Azores


I-Z141 formed and diversified 2100 BC, likely in northern Germany or Scandinavia, well before the Vikings. To determine which of its lineages were spread by Vikings rather than other groups, it is necessary to look at branches that diversified during the Viking Age and are present in the Viking homelands of Scandinavia and in the places they subsequently settled.

First, lets enumerate possible vectors by which NW European Y-haplogroups could have entered the Azores, in descending chronological order.

Flemish, before 1490

By 1490, there were 2,000 Flemings living in the islands of Terceira, Pico, Faial, São Jorge and Flores. Because there was such a large Flemish settlement, the Azores became known as the Flemish Islands or the Isles of Flanders. Prince Henry the Navigator was responsible for this settlement.

I-Z141 may have been introduced to Flanders by Vikings, Weser-Rhein-Germanic tribes, Celtic tribes, or it may have been there since the Bronze Age expansion of I-Z141, given that Flanders is not very far from Southern Scandinavia / Northern Germany, the presumed locus of I1 and immediate subclades.

Portuguese, 1432

The initial waves of settlement were by Portuguese, who may have had haplogroup I-Z141 for a variety of reasons:

8-11th Centuries - From Vikings
5-7th Centuries - From Germanic tribes Vandals, Suebii, Visigoths, Buri who had invaded and established kingdoms in Iberia
before 6th Century BC - Celticisation of Iberia, supposing the Celts had a Central European homeland, it is quite possible that some I-Z141 may have been present in these homelands before the Celticisation of Iberia
Viking?

It is important to note that, according to Wikipedia 2/1/2019 - "Solid confirmation of a pre-Portuguese human presence in the (Azorean) archipelago has not yet been published. "

So it would seem unrealistic to assume Viking colonization of the Azores unless we have very strong Y-DNA circumstantial evidence.


https://phylogeographer.com/wp-content/uploads/2019/01/I1-A196-1600x752.jpg

A196 and children FGC19077, A1395, Y6900 with TMRCA 1700 BC. Note that FGC19077 is being pulled to central France due to the Azorean subclade. Consequently A196 is pulled to northern France from a perhaps more likely N German / Scandinavian origin.

Now let's examine A14984, the most diversified subclade of I-Z141 with Azorean presence. Given that all three Azorean samples have a TMRCA going back to only 175 years ago, we cannot yet infer a presence in the Azores dating back to the Flemish settlement let alone back to the initial Portuguese settlement. So it could have been introduced along with the Portuguese, the Flemish or later.

Its siblings are basal FGC19077, a Swede and a German who, along with these Azoreans, share a common ancestor who lived 1950 years ago. This geography, encompassing Scandinavia and Central Europe, and the timing of the diversification more closely fit the Great Migrations of Germanic peoples throughout the Roman Empire than it does the Viking Age. Coupled with the lack of hard evidence of pre-Portuguese settlement, the Viking case seems weak. While it is interesting to note that Norwegian house mice may have been introduced to some Azorean islands by Vikings, the modern Y-DNA circumstantial evidence is not strong enough at this time. Instead, I will address the remaining theories - Flemish vs Portuguese colonization.

If the ancestors of these Azoreans came from 15th Century Flanders, it would mean that the ancestors of A14984 entered into a bottleneck in their Scandinavian/North German homeland starting around 100 AD. Then they moved to Flanders either immediately as Weser-Rhine-Germanic speakers or later as Vikings. It seems less likely that they were there already in Flanders at that time as Celts given the presence of a sibling in Sweden, which lies outside the core Celtic area.

Unless all their kin died out in Flanders or nearby, we should eventually find A14984 in or around Flanders, especially in the communities where Henry the Navigator recruited colonists (or also in Scandinavia if they had been Flemicised Vikings) and not in mainland Iberia (because they went from Flanders to the Azores, bypassing Iberia).

On the other hand, if the ancestors of these Azoreans instead came from Portugal during the Portuguese colonization, we would expect to find A14984 in mainland Iberia.

In conclusion, since at present we lack diversity of A14984 in all three regions of Scandinavia, Flanders and mainland Iberia, I do not conclude that one or the other theories is more valid. But direct Viking origin seems like more of a stretch than either of these theories.

FGC19077 has two other siblings.

A1395 is confined to the British Isles with no presence in Scandinavia. However its TMRCA lived 900 AD and has three lineages in Scotland, Wales and the Isle of Man. These regions are not all especially known for Viking colonization, so while the timing of the expansion fits the Danelaw, this could have been a native British haplogroup which had migrated to the British Isles during the Bronze Age.

The other sibling Y6900 is quite diverse, yet appears to have not originated in Britain. Only Y6885 appears British in origin, which diversified in Scotland and England during the Danelaw after emerging from a 2000-year bottleneck since diverging from its sibling in Västernorrland County, Sweden in 1300 BC. This period was a time of upheaval with the Tollense River battle in Baltic coast Germany and the Bronze Age Collapse of Mediterranean civilizations.


https://phylogeographer.com/wp-content/uploads/2019/01/vaesternorrland.jpg

Presence of Y6900 in Vaesternorrland, Sweden may hint at a Scandinavian origin

It seems likely that Y6900 may have been a Scandinavian, some of whose progeny may have been involved in Germanic and Slavic peoples' ethnogeneses, some of which may have occurred during the Viking age though the earlier diversification dates in central Europe of some subclades point to Migration Period Germanic tribal affiliation. This is not unexpected as the ancestors of these West and East Germanic-speaking peoples are assumed to have lived in Scandinavia.

Another Azorean subclade of I-Z141 is Y15150>Y31062. This subclade has little diversity and just two geolocated samples, from the Azores and Peru. Knowing whether the Peruvian's ancestors came from the Azores or from mainland Iberia would be informative.


Source: https://phylogeographer.com/two-subclades-of-i1-z141-with-potential-to-be-viking-migrants-to-the-azores/?fbclid=IwAR0VWwPs1h-NvKZZdPcPA8RSlyOYdKAn-cDxC2T3Uu3mlrvSrw9eogWoatk

Ruderico
06-26-2019, 12:16 PM
Sertã, Região Centro, Beira-Baixa. Não tenho qualquer família com origens ou raízes nos Açores (que eu tenha conhecimento).

Estou longe de ser especialista na matéria, mas assim de cabeça não me recordo de ver, nos registos que consultei, qualquer pessoa que tivesse nascido no continente que tivesse pai ou mãe das ilhas. Claro que eu só vi as regiões que me interessam, e todas elas eram e ainda são rurais, mas ainda assim acho que o movimento Ilhas -> Continente era muito residual. Claramente o teu caso da ramificação Açoriana é que teve origens no continente, não o inverso.

A sobrerepresentação é a história do costume, os Luso-descendentes Americanos estão brutalmente sobrerepresentados e enviesam as estatísticas todas, daí que aquele regional breakdown do 23andme seja uma treta para Portugueses





Quanto ao meu yDNA, estou espantado que aquele mapa do mygrations meta o meu haplogrupo específico.
Até ao momento o único indivíduo confirmado é um Americano de origem Alemã (Karlsruhe, mesmo ao pé da fronteira com a França), mas o nosso TMRCA é de 5800 anos. Curiosamente ou não Karlsruhe é mesmo em cima da Suábia, que tem a mesma origem que os nossos Suevos. Paralelamente a nós há um grupo de um Búlgaro e um Canadiano de origem Francesa que devem ter um TMRCA de 2500-2000 anos, portanto provavelmente de origem Gaulesa.
O haplogrupo em si deve ter chegado de um grupo Balcânico (com origem levantina) à Europa Ocidental algures entre o neolítico e a idade do bronze, e aqui ficou até hoje.

Os meus matches são todos de ascendência paterna Ibérica com o apelido mais frequente "Alvaréz" (maior frequência nas Astúrias) inclusivamente um Galego de Lugo que por sinal faz fronteira com as Astúrias, devendo o nosso antepassado em comum ter vivido algures nessa região montanhosa entre a Galiza, Astúrias e Leão. O meu antepassado paterno conhecido mais antigo era de Valença, de uma aldeia a poucos kilometros do rio Minho, Fontoura.
https://i.postimg.cc/nFkKrf7S/e-y134097.png

Lusitano
06-26-2019, 01:25 PM
Estou longe de ser especialista na matéria, mas assim de cabeça não me recordo de ver, nos registos que consultei, qualquer pessoa que tivesse nascido no continente que tivesse pai ou mãe das ilhas. Claro que eu só vi as regiões que me interessam, e todas elas eram e ainda são rurais, mas ainda assim acho que o movimento Ilhas -> Continente era muito residual. Claramente o teu caso da ramificação Açoriana é que teve origens no continente, não o inverso.

Sim, imagino que seja raro.


A sobrerepresentação é a história do costume, os Luso-descendentes Americanos estão brutalmente sobrerepresentados e enviesam as estatísticas todas, daí que aquele regional breakdown do 23andme seja uma treta para Portugueses

Os Açores aparecem sempre em primeiro lugar. No entanto não acho que seja assim tão mau, em segundo lugar aparece Castelo Branco tanto a mim como ao meu pai e à minha namorada, o que é preciso.



Quanto ao meu yDNA, estou espantado que aquele mapa do mygrations meta o meu haplogrupo específico.

O algoritmo do Mygrations usa as samples do YTree como base de dados. Como estás no YTree o teu SNP teria sempre de aparecer.

Ruderico
06-26-2019, 01:38 PM
Os Açores aparecem sempre em primeiro lugar. No entanto não acho que seja assim tão mau, em segundo lugar aparece Castelo Branco tanto a mim como ao meu pai e à minha namorada, o que é preciso.

Eu devo ter drift específico ou azar, porque Viseu nem me aparece na lista e o Porto está só em 7º :lol:
A minha namorada tem Castelo Branco em 4º, atrás das ilhas e Aveiro.

Endovelicus
06-26-2019, 02:14 PM
Ruderico, o que aparece em primeiro lugar nos teus resultados (excluindo os Açores)?

Ruderico
06-26-2019, 02:25 PM
Ruderico, o que aparece em primeiro lugar nos teus resultados (excluindo os Açores)?


Azores
Madeira
Aveiro District
Setubal
Coimbra District
Lisbon
Porto District
Braga


O problema é que supostamente isto é para saberes de onde os teus antepassados de há 250 anos eram. Eu não preciso disso porque estive a estudar a minha genealogia e sei que era 75% do distrito de Viseu e 25% do Porto...mas como podes ver os meus resultados deles estão todos ao lado. Só tenho 2 antepassados conhecidos do distrito e Aveiro por volta de 1700/1750, e mesmo esses são de Castelo de Paiva e do noroeste da Feira, ambos na fronteira com o distrito do Porto.
Acho que o sistema se baseia no local de origem reportado dos avós de cada um dos teus matches, daí que os Açores aparecam em primeiro - o 23andme tem imensos Americanos, é tudo Luso-descendentes com origens nas ilhas

rxavierflima
06-26-2019, 07:45 PM
Há uns tempos fiz uma pequena sondagem num grupo do FB sobre isto.

31200

A amostra é irrisória mas o resultado está razoavelmente de acordo com isto (https://www.eupedia.com/genetics/spain_portugal_dna.shtml#frequency).

Lusitano
06-26-2019, 07:50 PM
Há uns tempos fiz uma pequena sondagem num grupo do FB sobre isto.

31200

A amostra é irrisória mas o resultado está razoavelmente de acordo com isto (https://www.eupedia.com/genetics/spain_portugal_dna.shtml#frequency).

Está mais ou menos de acordo com a realidade. O haplogrupo J2 e I é mais comum que o E3b no entanto.

rxavierflima
06-26-2019, 07:54 PM
Está mais ou menos de acordo com a realidade. O haplogrupo J2 e I é mais comum que o E3b no entanto.

É? Não segundo a eupedia...

rxavierflima
06-26-2019, 07:57 PM
O meu:

31203

O único zé ibérico ali no meio até ao momento.

Lusitano
06-26-2019, 08:06 PM
North

Viana do Castelo, VC (n=59)

H - 0.695
E*(xE3a,b1) - 1.7
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) - 3.4
E3b1a - 0
E3b1b - 6.8
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 5.1
I*(xI1b2) - 8.5
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 3.4
J2* - 15.3
K2 - 1.7
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 52.5
R1b3f - 1.7


Braga, B(n=50)

H - 0.705
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 2.0a
E3b1*(xE3b1-c) - 0
E3b1a - 2.0
E3b1b - 5.9
E3b1c* - 2.0
F*(xGIJK) - 0
G* - 7.8
I*(xI1b2) - 15.7
I1b2 - 2.0
J*(xJ1d,2) - 3.9
J2* - 0
K2 - 3.9
L* - 0
R1a* - 3.9
R1b3*(xR1b3f) - 51.0
R1b3f - 0


Porto, P (n=118)

H - 0.652
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 4.2
E3b1b - 6.8
E3b1c* - 1.7
F*(xGIJK) - 0
G* - 5.9
I*(xI1b2) - 3.4
I1b2 - 0.9
J*(xJ1d,2) - 3.4
J2* - 8.5
K2 - 2.5
L* - 0.9
R1a* - 1.7
R1b3*(xR1b3f) - 57.6
R1b3f - 2.5

Bragança(n=25)

H - 0.590
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 4.0
E3b1b - 4.0
E3b1c* - 4.0
F*(xGIJK) - 0
G* - 4.0
I*(xI1b2) - 12.0
I1b2 - 4.0
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 4.0
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 64.0
R1b3f - 0


Vila Real(n=39)

H - 0.673
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 2.6
E3b1b - 2.6
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 2.6
I*(xI1b2) - 7.7
I1b2 - 5.1
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 7.7
K2 - 7.7
L* - 0
R1a* - 5.1
R1b3*(xR1b3f) - 56.4
R1b3f - 2.6

Center

Aveiro, Av (n=66)

H - 0.626
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 4.6
E3b1b - 3.0
E3b1c* - 3.0
F*(xGIJK) - 0
G* - 3.0
I*(xI1b2) - 3.0
I1b2 - 1.5
J*(xJ1d,2) - 6.1
J2* - 4.6
K2 - 6.1
L* - 0
R1a* - 1.5
R1b3*(xR1b3f) - 60.7
R1b3f - 3.0


Viseu, Vi (n=30)

H - 0.547
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 0
E3b1b - 13.3
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 0
I*(xI1b2) - 3.3
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 6.7
K2 - 3.3
L* - 0
R1a* - 3.3
R1b3*(xR1b3f) - 66.7
R1b3f - 3.3


Coimbra, Co (n=20)

H - 0.742
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -5.0
E3b1a - 0
E3b1b - 0
E3b1c* - 5.0
F*(xGIJK) - 0
G* - 5.0
I*(xI1b2) - 5.0
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 15.0
J2* - 10.0
K2 - 0
L* - 5.0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 50.0
R1b3f - 0


Guarda, Gu (n=30)

H - 0.708
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 10.0
E3b1b - 3.3
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 3.3
G* - 10.0
I*(xI1b2) - 0
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 3.3
J2* - 6.7
K2 - 3.3
L* - 0
R1a* - 3.3
R1b3*(xR1b3f) - 53.3
R1b3f - 3.3


Castelo Branco, CB (n=28)

H - 0.489
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 3.6
E3b1b - 7.1
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 7.1
I*(xI1b2) - 7.1
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 0
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 71.4
R1b3f - 3.6


Leiria, Le (n=35)

H - 0.629
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -2.9
E3b1a - 5.7
E3b1b - 5.7
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 8.6
I*(xI1b2) - 11.4
I1b2 - 2.9
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 0
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 60
R1b3f - 2.9


Santarém, Sa (n=8)

H - 0.821
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 25.0
E3b1b - 0
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 0
I*(xI1b2) - 0
I1b2 - 12.5
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 25.0
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 37.5
R1b3f - 0


Portalegre, Po (n=28)

H - 0.759
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 14.3
E3b1b - 10.7
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 3.6
I*(xI1b2) - 7.1
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 3.6
J2* - 14.3
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 44.8
R1b3f - 0

South

Lisboa, Li (n=35)

H - 0.692
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -2.9
E3b1a - 2.9
E3b1b - 11.4
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 5.7
I*(xI1b2) - 2.9
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 8.6
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 5.7
R1b3*(xR1b3f) - 54.3
R1b3f - 5.7


Setúbal, Se (n=27)

H - 0.402
E*(xE3a,b1) - 3.7
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -3.7
E3b1a - 3.7
E3b1b - 0
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 3.7
I*(xI1b2) - 0
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 3.7
J2* - 3.7
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 77.8
R1b3f - 0

Évora, Ev (n=29)

H - 0.805
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 6.9
E3b1b - 3.5
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 13.8
I*(xI1b2) - 10.3
I1b2 - 3.5
J*(xJ1d,2) - 10.4
J2* - 3.5
K2 - 3.5
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 41.4
R1b3f - 3.5


Beja, Be (n=8)

H - 0.893
E*(xE3a,b1) - 12.5
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 0
E3b1b - 12.5
E3b1c* - 12.5
F*(xGIJK) - 0
G* - 0
I*(xI1b2) - 0
I1b2 - 12.5
J*(xJ1d,2) - 0
J2* - 12.5
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 37.5
R1b3f - 0

Faro, Fa (n=21)

H - 0.424
E*(xE3a,b1) - 0
E3a* - 0
E3b1*(xE3b1-c) -0
E3b1a - 0
E3b1b - 0
E3b1c* - 0
F*(xGIJK) - 0
G* - 4.8
I*(xI1b2) - 4.8
I1b2 - 0
J*(xJ1d,2) - 4.8
J2* - 9.5
K2 - 0
L* - 0
R1a* - 0
R1b3*(xR1b3f) - 76.2
R1b3f - 0

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16626329

Lusitano
06-26-2019, 08:14 PM
É? Não segundo a eupedia...

Tinha ideia que sim mas parece que não. No entanto varia consoante a região.

Osiris
06-27-2019, 12:27 AM
I'm one of those Americans with Azorean ancestry, my great grandfather was pure blooded. Both his halogroups I can trace back to São Miguel in the 18th Century. His Y chromosome was E-V13 and his MTDNA is N1b1. I have tested strings for the Y chromosome and am saving up for the Big Y but sadly don't own the mtdna which was done through 23andme. Other than general interest though neither lineage seems particularly interesting yet.

RCO
06-28-2019, 12:10 AM
https://i.imgur.com/os4Fq8c.jpg

31232

Lusitano
06-28-2019, 10:49 AM
Maiores linhagens em termos de idade ou essas são as mais prevalecentes entre as samples Portuguesas do YFull?

RCO
06-28-2019, 10:58 AM
Mais prevalecentes, as maiores pela amostragem estatística existente. Podemos complementar.

Lusitano
06-28-2019, 11:05 AM
Curioso haver dois SNP de E-V13 e nenhum de E-M81.

Ruderico
06-28-2019, 11:28 AM
O yfull pode não ser o melhor para ver percentagens por causa da grande quantidade de "Açorianos" (Luso-Americanos) na amostra, e portanto alguns haplogrupos podem estar sobrerepresentados devido a founder effects. Na realidade os Açorianos são só uns 250000, isso é quase metade da população do município de Lisboa e 1/10 da população da sua área metropolitana

Hyoga7
07-02-2019, 06:55 AM
Bom dia,

Lusitano, vi a tua mensagem. Tentei responder-te, mas ainda não tenho posts suficientes para tal. Parece que tenho de acumular 10 posts.

Pronto, aqui vai informação repetida sobre o R1b L21 e a análise da FTDNA:

FTDNA_L21

Tested Positive M207 > Presumed Positive M173 > Tested Positive M343 > Presumed Positive L754 > Presumed Positive L389 > Presumed Positive P297 > Presumed Positive M269 > Tested Positive L23 > Tested Positive L51 > Tested Positive P310 > Presumed Positive L151 > Presumed Positive P312 > Tested Positive CTS6352 > Tested Positive Z290 > Tested Positive L21 > Presumed Positive DF13 > Presumed Positive Z39589 > Presumed Positive Z251 > Presumed Positive Z16943 > Presumed Positive FGC34554 > Presumed Positive BY9603 > Presumed Positive BY3972 > Tested Positive M129 > Downstream BY66197

Hyoga7
07-02-2019, 07:00 AM
Sem querer sabotar o teu thread (o que a gente faz para acumular mais um post...), o resultado 23andMe (antes era 100% Europeu; depois passei a 99,8%):
Saliento que esse componente Asiático aparece de forma regular como "East Asian" ou "Siberian".
Poderá ser das migrações Indo-Europeias? Algo que veio com o R1b L21?

31382

Ruderico
07-02-2019, 08:23 AM
Bem-vindo a estas bandas!

Não ligues muito a percentagens muito baixas no 23andme, é daquelas coisas que não é muito fiável, especialmente se estiver em mais de um segmento. Eu também sempre tive 0,1% East Asian (agora separado em 3!! segmentos), a minha namorada tem 0,3% Sardinian, mas realisticamente qual é a probabilidade de ela ter um antepassado minimamente recente da Sardenha quando toda a família dela é de uma aldeia em Idanha?

Quando ao novo beta update, os meus resultados mudaram pouco, mas não para melhor. O Portuguese&Spanish está virtualmente igual com 85%, mas ganhei uma série de componentes em percentagens baixas que antes não tinha, reduzindo os broadly: o Italian passou de 2 a 2,8%, ganhei 0,6% Greek e 1,5% French que antes não tinha. O SSA baixou de 0,4% para 0,3% mas por outro lado agora fiquei com 0,2% broadly West Asian. O pior mesmo foi o Unassigned antes tinha 0,1% agora tenho....1,3%. Miserável, adoro estes updates de referências que me fazem baixar a % total, e o mais bizarro é que este aumento foi canibalizado nas componentes Europeias.

PS: O West Asian + SSA + East Asian é 0,6%...mas o acumulado do "trace ancestry" deles é 0,5%. Há problemas de arredondamento nas %s.

Lusitano
07-02-2019, 08:57 AM
Sem querer sabotar o teu thread (o que a gente faz para acumular mais um post...), o resultado 23andMe (antes era 100% Europeu; depois passei a 99,8%):
Saliento que esse componente Asiático aparece de forma regular como "East Asian" ou "Siberian".
Poderá ser das migrações Indo-Europeias? Algo que veio com o R1b L21?

31382

É normal, a minha namorada teve 0.2% Broadly East Asian & Native American também.

Hyoga7
07-02-2019, 09:14 AM
Boas,

No AP, o Loki anda lá ocupado com o Ragnarök e aquilo descambou porque ele fechou a Bifröst ao trânsito Lusitano!

Esta curiosidade com o East Asian é só porque acaba por aparecer em várias destas calculadoras.
Por exemplo, a FTDNA dá-me 1% de "Siberia" no "myOrigins" e dá-me 12% de "Metal Age Invader" no "Ancient Origins".

Já me apercebi que não existe uma relação 100% linear entre o Y-DNA e o mtDNA, o que parece perfeitamente lógico.
Se fosse fazer uma espécie de tentativa de atribuição de algumas % aos haplogrupos, estimaria que o meu mtDNA é muito menos visível (para não dizer invisível) no ADN autossomal do que o meu Y-DNA.
Iria estimar que tudo o que me aparece de "East Asian", "Siberia" ou "Metal Age Invader" vem do Y-DNA associado às migrações Indo-Europeias da Idade dos Metais.
Iria estimar que o mtDNA é de uma migração antiga (talvez até mais recuada que o Y-DNA, se nos basearmos nas conclusões do Iñigo Olalde sobre Camino de las Yeseras) e acabou diluído no ADN autossomal Ibérico.

Pronto, suposições...

Ruderico
07-02-2019, 09:49 AM
Não faças essas associações, o yDNA e o mtDNA não contribuem para o teu perfil autosomico, lembra-te que são apenas duas linhagens. Quantas não hás-de ter de há 4500 anos? Literamente milhões, todas elas n vezes repetidas (mutiple ancestor), a probabilidade de essas duas te terem passado algo autosomico é virtualmente 0. O 23andme (e outros) dão resultados residuais a imensa gente, não vale muito a pena perder tempo com isso

Ruderico
07-02-2019, 10:54 AM
Já agora Hyoga7 devias arranjar as coordenadas do G25 quando a carteira puder, é mais actual e fiável do que os PCAs antigos do GEDmatch

Hyoga7
07-03-2019, 07:03 PM
Já agora Hyoga7 devias arranjar as coordenadas do G25 quando a carteira puder, é mais actual e fiável do que os PCAs antigos do GEDmatch

Qual é o preço actual do G25?
O Brás andava a aprofundar o haplogrupo L21 no YSEQ, que era mais caro, se não me engano.
Se esse G25 for barato, nem é a carteira por si. É que estou uns furos abaixo de vocês em termos de conhecimento; já vi algumas coisas que vocês postaram; mas confesso que não percebo muito bem o G25. Ou seja, não compreendo nem consigo explicar a outras pessoas.

A minha atenção tem-se dividido por outras coisas:
- em fins de Março, comecei a fazer a minha árvore genealógica pela pesquisa nos registos do AD de Aveiro. Já vou com mais de 100 pessoas e isso consome muito tempo. Há uma ou outra curiosidade em termos de nomes e sobrenomes, tanta coisa que toda a minha família não sabia, e por aí fora.
- convenci 2 pessoas da velha guarda da minha família a fazerem um teste de ADN e os kits já vão a caminho do laboratório. Quando saírem os resultados, ainda vou precisar de muito tempo para analisar as coisas; explicar-lhes; e por aí fora.

Ruderico
07-03-2019, 07:58 PM
É só 12USD, pago por paypal. Para o que é acho dinheiro bem usado

Lusitano
07-03-2019, 09:35 PM
Não só é bem gasto como nós já estamos a conseguir recolher entre nós umas quantas coordenadas de G25 de Portugueses de várias regiões que já deve meter inveja às comunidades dos outros países que por aqui andam no Anthrogenica :biggrin1:

rxavierflima
07-04-2019, 07:10 AM
O grupo do facebook "Genealogia Genética de Portugal" tem quase 2000 membros mas ninguém suficientemente interessado nestes assuntos para fazer o G25.

E não acho que seja uma questão de preço. Para mim é mais o incómodo do processo.

Muito pouca gente está disposta a:

1. enviar a alguém que não conhece um email com o seu ficheiro raw
2. ir ao paypal pagar
3. receber uns números que não dizem nada
4. andar à procura em fóruns de uma tradução visual para os números que recebeu (ainda menos gente está disposta a tentar aprender a usar o R e o Past3)

O David teria muito mas gente a fazer o G25 se tivesse um site profissional em que se pagasse para fazer o upload do ficheiro raw e, com as coordenadas, se tivesse imediatamente acesso a um resultado visual, como um PCA.

RCO
07-21-2019, 01:24 PM
Os marcadores masculinos são importantes ferramentas e técnicas de pesquisa que podem permitir um olhar científico e demográfico sobre a Reconquista Portuguesa.

Quantos homens haveria no Noroeste Ibérico por volta do ano 1000 ? Quais as suas origens ? Qual o impacto nas Guerras de Reconquista ? Quantas linhagens sobreviveram e se ramificaram até hoje ?

A documentação histórica é pequena, reduzida e limitada.
Verifiquei as seguintes obras recentes, além de obras clássicas como a de José Mattoso.

In finibus Gallecie. A Reconquista no actual território português. O contexto de um processo dinâmico, 868-1064 José Alexandre Ribeiro de Sousa - Dissertação de Mestrado em História, especialidade em História Medieval Orientação: Prof. Doutor Pedro Gomes Barbosa Lisboa, Maio de 2016

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO - Mestrado em História Medieval e do Renascimento - Os Portugueses e as Cruzadas (Séculos XII-XIV)
Pedro Nuno Medeiros de Henriques Porto 2011

Ad populandum: toponímia e repovoamento no sul da Galiza alto-medieval1*
Paulo Martínez Lema1. Revista de Filología Románica ISSN: 0212-999X - 2018

Gallegos del año mil. Front Cover. Carlos Baliñas Pérez. Fundación Pedro Barrié de la Maza, 1998 - Galicia (Spain : Region)

Hyoga7
07-29-2019, 08:06 AM
O Genographic 2.0 deu-me o seguinte:
Y-DNA = R-L21
mtDNA = L1b1a12a

O 23andMe deu-me o seguinte:
Y-DNA = R-CTS241
mtDNA = L1b1a


- O Genographic 2.0 parece ser mais específico no mtDNA.
- O 23andMe parece ser mais específico no Y-DNA (CTS241 = DF13).

Ruderico
07-29-2019, 08:23 AM
Engraçado, o teu yDNA é claramente Britânico, já o teu mtDNA é Africano (mas ambos podem já estar na península há centenas ou milhares de anos). Podes sempre ver se o MorleyDNA te diz mais alguma coisa sobre o yDNA, já que existem muitos subclades do DF13 https://ytree.morleydna.com/

Continuamos sem ter DF27 nesta comunidade :lol:

Hyoga7
07-29-2019, 08:51 AM
Engraçado, o teu yDNA é claramente Britânico, já o teu mtDNA é Africano (mas ambos podem já estar na península há centenas ou milhares de anos). Podes sempre ver se o MorleyDNA te diz mais alguma coisa sobre o yDNA, já que existem muitos subclades do DF13 https://ytree.morleydna.com/

Continuamos sem ter DF27 nesta comunidade :lol:

Sim, o Y-DNA parece ser o mesmo do Brás/Viriato (antes do teste YSEQ que ele fez).
O mtDNA, em princípio, pode ser muito antigo porque o ADN autossomal tem 0 ou pouco de Subsariano. Não diria que é como aquele Beaker do Iñigo Olalde, mas...
L1b1a was found by Olalde, I. et al. (Iñigo Olalde et al. The Beaker Phenomenon And The Genomic Transformation Of Northwest Europe, 2017. https://www.biorxiv.org/content/bior...35962.full.pdf) at Camino de las Yeseras (San Fernando de Henares, Madrid) [I4245 / RISE695] on a Bell Beaker site 2280–1790 BCE.
Bell Beaker, Spain, Camino de las Yeseras (San Fernando de Henares, Madrid)
2280–1790 BCE 14942 L1b1a [I]Olalde 2017


Quanto ao DF-27, parece que é o do meu tio materno (e da linhagem do meu avô materno).

Ruderico
07-29-2019, 09:13 AM
Sim, o Y-DNA parece ser o mesmo do Brás/Viriato (antes do teste YSEQ que ele fez).
O mtDNA, em princípio, pode ser muito antigo porque o ADN autossomal tem 0 ou pouco de Subsariano. Não diria que é como aquele Beaker do Iñigo Olalde, mas...
L1b1a was found by Olalde, I. et al. (Iñigo Olalde et al. The Beaker Phenomenon And The Genomic Transformation Of Northwest Europe, 2017. https://www.biorxiv.org/content/bior...35962.full.pdf) at Camino de las Yeseras (San Fernando de Henares, Madrid) [I4245 / RISE695] on a Bell Beaker site 2280–1790 BCE.
Bell Beaker, Spain, Camino de las Yeseras (San Fernando de Henares, Madrid)
2280–1790 BCE 14942 L1b1a [I]Olalde 2017


Quanto ao DF-27, parece que é o do meu tio materno (e da linhagem do meu avô materno).
Devem ser do mesmo cluster, sim. Engraçado.

Se a linhagem materna estiver cá há nem que seja há 500 anos vais ter 0 disso nas componentes autosomicas. Com 25 anos por geração, tens 20 gerações ao fim de 500 anos, 20 gerações dão mais de um milhão de antepassados assumindo que não houve consanguinidade (o que na realidade é impossível, mas dá para ter uma ideia da escala). Se bem me lembro o Pedro Ruben no TA tem um mtDNA claramente Indiano, mas também não apresenta nada daquilo nos seus modelos ou nas calculadoras do Eurogenes. Se eu ligo pouco ao yDNA, ainda menos ligo ao mtDNA

Hyoga7
07-29-2019, 09:47 AM
Vou criar um thread com os 3 Resultados.

RCO
07-29-2019, 01:00 PM
De certa maneira o autossômico "europeu" é fácil de se identificar fenotipicamente no espelho e nos testes, apenas as proporções variam entre os caçadores-coletores do Ocidente ou Oriente, os primeiros agricultores da Anatólia, os grupos da Estepe Oriental, os grupos do Norte do Oriente-Médio, Cáucaso, Cáspio e Planalto Iraniano, todos são comuns, gerais e compartilhados entre todas as populações "europeias" com pequenas margens de diferença. O mais interessante na minha perspectiva é o etno-histórico, o rastreamento dos marcadores de linhagens masculinas e femininas, a pesquisa mais curiosa na minha opinião. Sempre fui pioneiro e investi muito para saber a origem do meu Y e mt, na verdade eu descobri cientificamente as duas linhagens. O meu J1-FGC6064 é decisivo porque basicamente separa o J1 em blocos Norte/Sul, Iraniano/Semítico no haplogrupo J1, o que sempre causa considerações geopolíticas porque sempre estivemos em regiões de fronteiras e conflitos, no Oriente Médio, no Noroeste Ibérico e no Sul do Brasil Colonial. O meu mitocondrial também é típico da expansão ultramarina portuguesa nos Açores e Brasil, a típica linhagem de mulheres europeias H1. Para conhecer as cronologias e bifurcações espaciais precisamos reconhecer e identificar as combinações (matches) ao longo da história e da geografia.

Endovelicus
07-30-2019, 11:37 AM
Engraçado, o teu yDNA é claramente Britânico, já o teu mtDNA é Africano (mas ambos podem já estar na península há centenas ou milhares de anos). Podes sempre ver se o MorleyDNA te diz mais alguma coisa sobre o yDNA, já que existem muitos subclades do DF13 https://ytree.morleydna.com/

Continuamos sem ter DF27 nesta comunidade :lol:

Pode ser que seja eu o primeiro. :lol:

Endovelicus
08-05-2019, 04:43 PM
Já saíram os meus resultados do 23andMe. E continuamos sem ter DF27 na nossa comunidade. :lol:

Nem DF27, nem nenhum outro subclade de R1b. O meu haplogrupo é G (G-L91).

Ruderico
08-05-2019, 05:25 PM
Muitos parabéns! Mostra aí o que ancestry report com e sem BETA dizem!


Esse haplogrupo ainda é mais velho que o meu, hás-de tentar meter isso no https://ytree.morleydna.com/ e ver se ele diz mais alguma coisa a jusante disso. Seja como for a tua linha paterna já deve estar na Europa desde o neolítico, agora na península Ibérica é outra história. Ah, o Ötzi the Iceman também era do teu haplogrupo.

Se puderes mete a rawdata no GedMatch e/ou arranja o G25

Endovelicus
08-05-2019, 05:34 PM
Sim, no 23andMe falam sobre o Ötzi the Iceman, mas ainda não li nada. :P
Uma importante linhagem paterna dos Neolithic farmers. Zona do Cáucaso/Anatólia?

Já agora, o haplogrupo materno é H, não especificando o subclade.

Já meti a raw data no GEDmatch. É suposto levar tempo a analisarem a raw data, certo?

Depois posto aqui os resultados da ancestralidade.

Ruderico
08-05-2019, 05:42 PM
Sim, no 23andMe falam sobre o Ötzi the Iceman, mas ainda não li nada. :P
Uma importante linhagem paterna dos Neolithic farmers. Zona do Cáucaso/Anatólia?

Já agora, o haplogrupo materno é H, não especificando o subclade.

Já meti a raw data no GEDmatch. É suposto levar tempo a analisarem a raw data, certo?

Depois posto aqui os resultados da ancestralidade.

Sim, deve ser originário ali na zona da Anatólia, sul do Caucaso e/ou Levante. Mas é tudo uma questão temporal, se meteres um haplogrupo mais a jusante podes dizer que é Europeu. Quando fiz o 23andme estava com uma fezada que também ia ser G, mas não. Inicialmente tive pena, porque gostava que a minha também fosse dos primeiros agricultores e parecia que não. Afinal de contas a minha até é de agricultores mais antigos, mas Levantinos lol também deve ter chegado à Europa há uns 8000 anos ou assim, talvez com a cultura Cardial ou uma qualquer que ficou pelo sudeste/este da Europa antes de saltar para grupos Iranianos nas estepes Russas


O Gedmatch demora um pouco sim, mas sinceramente já nem me lembro quanto tempo



Edit: Se o teu haplogrupo for Alpino, até pode ter chegado à península com Celtas

Amarelo
08-06-2019, 07:12 PM
Tudo bem meus caros lusos?

acabei de conseguir rodar o teste do Morley. Algum de vocês já o utilizou, será confiável? Alguma ferramenta semelhante em relação ao Mtdna? Muito Obrigado! (Já economizando para um Big Y ehehehe..)

32225 32226


*Edit* Consegui achar dados até o ramo do R1b M222, aparentemente um ramo britânico(!?) Ainda assim deixarei o post aqui, as primeiras perguntas ainda me soam pertinentes..

Ruderico
08-08-2019, 07:07 PM
O Morley conseguiu identificar-me como sendo negativo para E-M34, portanto E-M123* na altura, o que não foi nada mau.
Quando fiz o Y37 do FTDNA e o 23andme só me confirmaram como sendo E-M35 e E-M123 respectivamente (M35 está a montante de M123, e a esmagadora maioria dos E-M123 também são positivos para M34, eu sou negativo). No meu caso valeu a pena e está correcto.

Amarelo
08-09-2019, 03:06 PM
O maior problema do meu me parece ter sido por ter feito pela Living DNA, que aparentemente parece dar umas coisas um tanto diferente quando se utiliza as raw datas tanto autossomicas quanto do Y e do Mtdna.

Endovelicus
08-09-2019, 03:11 PM
Finalmente surgiu um DF27 na comunidade portuguesa aqui do fórum. :lol:

Ruderico
08-09-2019, 03:15 PM
Finalmente surgiu um DF27 na comunidade portuguesa aqui do fórum. :lol:

Não deixa de ter graça, nós por aqui temos bastante variedade de haplogrupos. O mais comum até é o ramo Britânico do R1b x)

Endovelicus
08-09-2019, 03:20 PM
Fiz uma aposta com o Lusitano de que eu seria DF27, ele apostou no U152 devido à elevada prevalência no Alentejo (região da família paterna)...ao fim e ao cabo :lol:

https://cache.eupedia.com/images/content/Haplogroup-R1b-S28.gif

Amarelo
08-09-2019, 03:22 PM
Não deixa de ter graça, nós por aqui temos bastante variedade de haplogrupos. O mais comum até é o ramo Britânico do R1b x)

Frutos do tratado de Windsor :lol:

Ruderico
08-09-2019, 03:33 PM
Frutos do tratado de Windsor :lol:

Ou talvez da Reconquista, vieram muitos cruzados das ilhas Britânicas para Portugal durante esse periodo

Amarelo
08-09-2019, 03:37 PM
Ou talvez da Reconquista, vieram muitos cruzados das ilhas Britânicas para Portugal durante esse periodo

Interessante, já tenho tema de leitura para o fim de semana.

Hyoga7
08-10-2019, 11:01 AM
Finalmente surgiu um DF27 na comunidade portuguesa aqui do fórum. :lol:

Quem?
O meu tio paterno saiu R-Z225, que é um subclade do DF27.

32316

Ruderico
08-10-2019, 11:05 AM
Quem?
O meu tio paterno saiu R-Z225, que é um subclade do DF27.

32316

O Gil Vicente é DF27, até agora o único Português aqui no forum. Somos uma péssima referência :lol:

Hyoga7
08-10-2019, 12:03 PM
O Gil Vicente é DF27, até agora o único Português aqui no forum. Somos uma péssima referência :lol:

É ver se isto dá algum direito a quotas para minorias absolutas ou relativas, descontos, etc...

Ruderico
08-10-2019, 12:15 PM
É ver se isto dá algum direito a quotas para minorias absolutas ou relativas, descontos, etc...

Eu é que devia ter direito! Sou uma minoria descendente de uma grupeta de nomadas que está literalmente em vias de extinção :lol:

Endovelicus
09-17-2019, 08:43 AM
O Gil Vicente é DF27, até agora o único Português aqui no forum. Somos uma péssima referência :lol:

Ontem descobri que afinal existe outro user português DF27, o Lugus.

https://anthrogenica.com/member.php?2401-Lugus

Endovelicus
09-17-2019, 11:45 AM
Eu é que devia ter direito! Sou uma minoria descendente de uma grupeta de nomadas que está literalmente em vias de extinção :lol:

Eu também deveria ser beneficiário, faço igualmente parte de uma minoria. :P

Hyoga7
09-17-2019, 01:53 PM
Eu também deveria ser beneficiário, faço igualmente parte de uma minoria. :P

Começar a preparar o dossier com os resultados do ADN para enviar para a Catarina e as manas Mortágua ;)

Endovelicus
09-17-2019, 05:55 PM
Começar a preparar o dossier com os resultados do ADN para enviar para a Catarina e as manas Mortágua ;)

:lol:

Já estou a preparar, mas vai depender se haverá uma Geringonça V2. Em caso afirmativo, há que subsidiar estes benefícios para os portadores dos haplogrupos G e E. A solução decerto passará por aumentar impostos sobre a classe média os portadores dos haplogrupos R1b (todos os sublades), que são a maioria. B)

Hyoga7
09-18-2019, 12:50 PM
:lol:

Já estou a preparar, mas vai depender se haverá uma Geringonça V2. Em caso afirmativo, há que subsidiar estes benefícios para os portadores dos haplogrupos G e E. A solução decerto passará por aumentar impostos sobre a classe média os portadores dos haplogrupos R1b (todos os sublades), que são a maioria. B)

E se fores à UC já não comes carne de vaca nas cantinas!
Minorias estamos nós a ficar:

https://www.worldometers.info/world-population/europe-population/
1980 Europe 693,566,517.

The current population of Europe is 747,264,688 as of Thursday, September 5, 2019, based on the latest United Nations estimates.
Europe population is equivalent to 9.78% of the total world population.
The median age in Europe is 41.7 years.


https://www.worldometers.info/world-population/africa-population/
1980 Africa 476,386,273.

The current population of Africa is 1,313,875,274 as of Thursday, September 5, 2019, based on the latest United Nations estimates.
Africa population is equivalent to 16.72% of the total world population.
The median age in Africa is 19.4 years.

Endovelicus
09-23-2019, 11:34 PM
Mais um DF27 tuga aqui. Aos poucos vão proliferando. :P

Genetic
10-02-2019, 08:01 PM
De certa maneira o autossômico "europeu" é fácil de se identificar fenotipicamente no espelho e nos testes, apenas as proporções variam entre os caçadores-coletores do Ocidente ou Oriente, os primeiros agricultores da Anatólia, os grupos da Estepe Oriental, os grupos do Norte do Oriente-Médio, Cáucaso, Cáspio e Planalto Iraniano, todos são comuns, gerais e compartilhados entre todas as populações "europeias" com pequenas margens de diferença. O mais interessante na minha perspectiva é o etno-histórico, o rastreamento dos marcadores de linhagens masculinas e femininas, a pesquisa mais curiosa na minha opinião. Sempre fui pioneiro e investi muito para saber a origem do meu Y e mt, na verdade eu descobri cientificamente as duas linhagens. O meu J1-FGC6064 é decisivo porque basicamente separa o J1 em blocos Norte/Sul, Iraniano/Semítico no haplogrupo J1, o que sempre causa considerações geopolíticas porque sempre estivemos em regiões de fronteiras e conflitos, no Oriente Médio, no Noroeste Ibérico e no Sul do Brasil Colonial. O meu mitocondrial também é típico da expansão ultramarina portuguesa nos Açores e Brasil, a típica linhagem de mulheres europeias H1. Para conhecer as cronologias e bifurcações espaciais precisamos reconhecer e identificar as combinações (matches) ao longo da história e da geografia.


O Morley conseguiu identificar-me como sendo negativo para E-M34, portanto E-M123* na altura, o que não foi nada mau.
Quando fiz o Y37 do FTDNA e o 23andme só me confirmaram como sendo E-M35 e E-M123 respectivamente (M35 está a montante de M123, e a esmagadora maioria dos E-M123 também são positivos para M34, eu sou negativo). No meu caso valeu a pena e está correcto.

Hi! I'd like to know your opinion: My great-great-grandfather was Azorean from São Jorge Island. I tested recently and my Y-DNA is apparently J2a1. Is it common? According to my research, it seems to be an Eastern Mediterranean haplogroup, not very common in Portugal. But I'm not an expert. What do you guys think?

Gil Vicente
10-02-2019, 08:41 PM
Hi! I'd like to know your opinion: My great-great-grandfather was Azorean from São Jorge Island. I tested recently and my Y-DNA is apparently J2a1. Is it common? According to my research, it seems to be an Eastern Mediterranean haplogroup, not very common in Portugal. But I'm not an expert. What do you guys think?

J2 exists in Portugal at a frequency of 9.5% according to eupedia:

https://www.eupedia.com/europe/european_y-dna_haplogroups.shtml

It also is widespread all over Europe (with different frequencies) so someone with a J2 haplogroup in Portugal is not so strange, even if it's not the majority haplogroup.

konian lusitanum
10-03-2019, 08:23 AM
ola amigo , pode me dizer alguma coisa acerca do haplogroupo j-cts5368 se e originario em portugueses ?, nao consigo descobrir isso em parte alguna

Ruderico
10-03-2019, 08:41 AM
ola amigo , pode me dizer alguma coisa acerca do haplogroupo j-cts5368 se e originario em portugueses ?, nao consigo descobrir isso em parte alguna

J-cts5368 é o mesmo que J-Z2215. O haplogrupo tem 18000 anos e está presente em países tão diferentes como Paquistão, Rússia, Portugal ou Arábia Saudita. Não se pode dizer nada de especial sobre ele, excepto que não é originário da Europa. Mas, há 18000 anos, só o haplogrupo I é que o deveria ser.

Endovelicus
10-03-2019, 08:59 AM
Pena eles não terem especificado, diga-se terem indicado o subclade, do meu mtDNA.

Outro aspecto que gostaria de saber é relativamente a entrada do meu Y-DNA na Ibéria. Se foi num período mais antigo, no decurso das migrações no Neolítico, ou mais tardiamente durante a expansão celta, visto o meu haplogrupo existir em razoáveis percentagens na região dos Alpes.

Ruderico
10-03-2019, 09:24 AM
Pena eles não terem especificado, diga-se terem indicado o subclade, do meu mtDNA.

Outro aspecto que gostaria de saber é relativamente a entrada do meu Y-DNA na Ibéria. Se foi num período mais antigo, no decurso das migrações no Neolítico, ou mais tardiamente durante a expansão celta, visto o meu haplogrupo existir em razoáveis percentagens na região dos Alpes.

Acho que só vais saber isso ao certo quando o teu haplogrupo específico for encontrado numa altura temporal indicada. Isso pode nunca acontecer :lol:
Eu nem ligo aos marcadores uniparentais porque não dizem virtualmente nada sobre as nossas origens, é apenas uma de milhentas linhas que temos. Para além disso o cromossoma Y deve ter uns 20k SNPs (e se calhar a maioria nem importa) enquanto que o genoma humano inteiro deve ter uns 5 milhões ou assim, é residual

RCO
10-03-2019, 03:48 PM
Genetic: I tested recently and my Y-DNA is apparently J2a1. Is it common? According to my research, it seems to be an Eastern Mediterranean haplogroup, not very common in Portugal. But I'm not an expert. What do you guys think?


konian lusitanum: pode me dizer alguma coisa acerca do haplogroupo j-cts5368 se e originario em portugueses ?

Em ambos os casos é necessário testar detalhadamente os polimorfismos - SNPs e verificar os seus subgrupos mais recentes, com idade estimada nos últimos séculos e no último milênio, para verificar a presença destes nas populações portuguesas. Penso que somente com o Big Y ou FGC é possível reconstruir todo seu itinerário genealógico até a contemporaneidade. Pelo que observamos há muitos grupos especificamente portugueses localizados no último milênio. Os SNPs positivos e os negativos são importantes para entendermos quais os seus ramos.